Não é preciso ser vidente nem criar uma fórmula matemática. Parece já uma certeza na indústria da música pop que boybands ou girlbands estouradas de maneira extrordinária começam a se desfazer quando um(a)  integrante “decide não ser mais parte do grupo”.

Numa lógica sequencial e cronológica temos nos anos 1990 as Spice Girls. As garotas britânicas ganharam um status de “girl power” pelo mundo e demonstraram que poderiam ser um grupo de destaque apresentando uma maneira de pensar e agir.

Emma Bunton, Geri Halliwell, Melanie B, Melanie C e Victoria Beckham marcaram a década com vários hits. O principal foi Wannabe do primeiro CD e considerado uma das músicas pop mais marcantes de todos os tempos!

As garotas lançaram os dois primeiros CD’s (Spice em 1996 e Spiceworld em 1997) como uma girlband de grande sucesso, porém em 1998 Geri Halliwell deixa o grupo dando início a um declínio irreversível. No ano de 2000, em quarteto, as meninas lançam Forever, o terceiro e último álbum da carreria passageira mas marcante.

Nos anos 2000 tivemos uma girlband brasileira! Originada do programa “caça-talentos” Popstar, exibido pelo SBT, o grupo Rouge foi um fenômeno nacional. Aline Wirley, Fantine Thó, Karin Hils, Luciana Andrade e Li Martins foram as escolhidas entre 30 mil candidatas para serem a nova sensação da música pop no Brasil.

O maior hit do grupo é a música Ragatanga, versão brasileira da canção espanhola Aserejé, das La Ketchup.

Os dois primeiros CD’s, assim como das Spice Girls, foram muito bem vendidos e cheios de sucessos. “Não Dá pra Resistir”,“Beijo Molhado”, “Hoje Eu Sei”, “Olha Só”, “Nunca Deixe de Sonhar”, “Brilha La Luna”, “Um Anjo Veio Me Falar”, “Vem Cair Na Zueira” e “C’est la Vie” são algumas das músicas mais marcantes presentes no primeiro álbum de 2002 e no C’est la Vie de 2003, segundo CD.

Em 2004, Luciana Andrade sai do Rouge por não se adaptar ao sucesso e ao estilo pop. O grupo ainda lançou mais dois CD’s: Blá Blá Blá (2005) e Mil e uma Noites (2005) com alguns sucessos; e em 2006 o Rouge chegou ao fim.

No último ano, a girlband  Fifth Harmony, formada na segunda temporada do The X Factor nos EUA, lançou seu primeiro CD. Ally Brooke Hernandez, Normani Kordei, Dinah Jane Hansen, Camila Cabello e Lauren Jauregui eram a promessa da nova geração.

Nomeado de “Reflection” o álbum teve vários hits como “BO$$”, “Sledgehammer” e “Worth It”. Ainda na onda do sucesso, no início de 2016 é lançado o segundo CD do grupo chamado 7/27 (referência ao dia em que a girlband foi formada no X Factor). “Work From Home” e “That’s My Girl” são os hits do novo album até o momento.

Porém a maldição das girlbands continua firme e cada vez mais rápida. Nesta madrugada (19), a integrante Camila Cabello anuncia a saída do grupo e parece querer seguir carreira solo.

Agora em quarteto, as Fifth (ou seria Fourth?) irão seguir em frente com projeto de novo CD para 2017. Posso até estar errado, mas o resto da história acho que vocês também já sabem né?!

Efêmeras e marcantes. Essas são duas características das girlbands que surgem e acabam como no correr da areia dentro de uma ampulheta. O que nos resta é aproveitar e curtir as músicas que são lançadas.

#paz

@fm_marcílio