CBF revela que gastava R$ 1,5 milhão por mês com Felipão

O vexame na semifinal da Copa do Mundo não foi a única causa da demissão de Luiz Felipe Scolari. O presidente da CBF, José Maria Marin, deixou vazar que o treinador custava R$ 1,5 milhão por mês à entidade, entre salários e encargos trabalhistas.

CBF revela que gastava R$ 1,5 milhão por mês com Felipão

Ao contrário de todos os clubes brasileiros, a CBF paga 100% do salário em carteira, o que aumenta muito o custo mensal. O Botafogo, por exemplo, deposita apenas R$ 5 mil em carteira a Vagner Mancini e os outros R$ 245 mil em direito de imagem, com tributação a cargo do empregado – o clube só arca com o valor da nota.

Marin alegou à cúpula da CBF que é incompatível manter gastos de R$ 1,5 milhão com um treinador que perde por 7 a 1 da Alemanha em uma Copa do Mundo disputada dentro de casa.

Felipão embolsava aproximadamente R$ 900 mil por mês com salários. Os outros R$ 600 mil eram desembolsados pela CBF com impostos, recolhimento de Fundo de Garantia e outras obrigações. Seu antecessor, Mano Menezes, também recebia todo o salário em carteira.

O presidente da CBF ainda reclamou aos dirigentes mais próximos da teimosia de Felipão. Tudo porque os dois observadores da seleção, Alexandre Gallo e Roque Junior, haviam aconselhado a utilização de um terceiro volante diante dos alemães. “Mas ele quis colocar o Bernard”, reclamou Marin.

Desde o anúncio da demissão de Felipão, no domingo, Marin e seu vice-presidente, Marco Polo Del Nero, procuram um substituto. Porém, é provável que eles esperem primeiro pelo “sim” do ex-lateral-esquerdo Leonardo, atualmente dirigente, para depois acertar com um técnico. Leonardo foi convidado para atuar como uma espécie de diretor de futebol da CBF.

Publicidade

DEIXE O SEU COMENTÁRIO

Publicidade

HVT Card