Chef alagoano comanda restaurante na Nova Zelândia

O The Junction Eatery foi inaugurado na última quinta, em evento fechado, recebendo influenciadores, amigos e colaboradores.

Essenz Comunicação / Isis Malta

Chef alagoano comanda restaurante na Nova Zelândia

O chef alagoano Eder Marinho, radicado há mais de dez anos na Nova Zelândia, embarca em mais um grande desafio da sua carreira no exterior. Ao lado do renomado Empresário e Restauranteur Mr. Chris Jones, Eder comanda (como Chef Executivo) o restaurante The Junction Eatery, mais novo empreendimento gastronômico da cidade de Auckland, aberto ao público nesta segunda (13).

O The Junction Eatery foi inaugurado na última quinta, em evento fechado, recebendo influenciadores, amigos e colaboradores. Seguindo uma tradição da Nova Zelândia, a cerimônia contou também com a presença dos Maoris (povo indígena bastante respeitado na região), responsáveis pela benção do restaurante. A partir de agora, neozelandeses e turistas de todo o mundo já podem visitar o espaço e apreciar uma vista maravilhosa da cidade de Auckland e do vulcão Rangitoto. O restaurante está situado no bairro privilegiado de Birkenhead, em North Shore.

Eatery significa “comedoria” em inglês e Junction “junção”, e é essa junção de culturas e sabores que move o Chef Eder Marinho. “Desde o início da minha carreira sempre apreciei essa mistura de ingredientes e sabores. Poder reunir num mesmo prato referências de lugares e culturas distantes e fazer disso um sabor inteiramente novo é um grande prazer para mim”, destacou o Chef.

O cardápio do Junction tem como base a culinária europeia, especialmente a francesa, mas passeia por sabores de diversos lugares do mundo. Por lá, os clientes poderão desfrutar do hambúrguer de Beef Wagyu e dos tão famosos Waffles Belgas e Fajitas Mexicanas. Para o brasileiro se sentir em casa e o estrangeiro provar um pedacinho da sua terra, Eder inseriu no menu um ícone da nossa culinária, o autêntico açaí na tigela.

Eder Marinho comemora a conquista na carreira e espera compartilhar sua realização com os brasileiros. “Não vejo a hora de encontrar os meus conterrâneos de passagem pela Nova Zelândia, será uma imensa alegria recebê-los no Junction”, finalizou o alagoano.

Publicidade

DEIXE O SEU COMENTÁRIO

Publicidade