Endividamento das famílias de Maceió apresenta tímida elevação

Indicador aumentou 0,2 pontos percentuais entre dezembro e janeiro

Endividamento das famílias de Maceió apresenta tímida elevação

O endividamento do consumidor da capital alagoana manteve-se estável entre os meses de dezembro de 2015 e janeiro de 2016, elevando-se apenas 0,2 pontos percentuais (p.p), conforme aponta a pesquisa desenvolvida pela Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC), analisada pelo Instituto Fecomércio/AL de Estudos, Pesquisas e Desenvolvimento (IFEPD).

 Os dados também demonstram um aumento um pouco maior da parcela de consumidores que estão com dívidas em atraso, 1,1 pontos. A parcela de famílias que não conseguem pagar suas contas permaneceu quase inalterada, pois somente evoluiu 0,6 (p.p.). Em relação a janeiro do ano passado, houve um aumento de 4,6% dos endividados em Maceió. 

“Devemos salientar que o endividamento das famílias não é ruim, muito pelo contrário. É sinal de que as famílias estão consumindo, o que permite espaço para que os empresários façam novos investimentos e contratem novos colaboradores em suas empresas, criando um ciclo virtuoso na economia alagoana”, avalia Felippe Rocha, assessor econômico da Fecomércio AL. 

Para o especialista, o comprometimento excessivo da renda acima de 50% é que seria indesejado nesse processo de endividamento. “Isso reduziria o consumo das famílias porque grande parte de sua renda mensalmente seria revertida para pagamentos de dívidas contraídas no passado”, pondera Felippe.

 

Outros dados

Segundo a pesquisa, o número de endividados com contas em atraso aumentou 14,3%, na comparação com janeiro de 2015. O mesmo aconteceu com o indicar de endividados que já não conseguem pagar suas contas, o qual apresentou elevação de 7,4% (comparado ao mesmo mês do ano anterior). Para o assessor econômico da Fecomércio, esse maior percentual de contas atrasadas é reflexo do aumento dos preços e do desemprego em algumas áreas. 

Dos 69,1% dos endividados, 21,8% consideram que estão muito endividados; 24,7% mais ou menos endividado; e 22,5% pouco endividado. “Se contarmos que 30,9% dos entrevistados informaram não ter dívidas deste tipo, possuímos 53,4% de famílias que não comprometem tanto sua renda, permitindo espaço para consumir ao 

longo do ano, o que reflete em um bom potencial de consumo, um bom sinal para os empresários”, avalia.

 

Dado a facilidade de crédito ao longo dos últimos anos, o uso do cartão de crédito tem respondido como o maior meio de utilização das famílias para aquisição de bens e serviços na economia, correspondendo a 82,2% do tipo de dívida das famílias de Maceió, no geral; a 83,8% para as famílias que recebem até 10 salários mínimos; e a e 59,0% das que recebem mais de 10. Em segundo e terceiro lugar, no geral, surgem os carnês de loja (crediário) com 12,1% e o crédito pessoal, representando 6,0% do tipo de dívida mais utilizado pelas famílias.

 

No tocante à capacidade de pagamento, 19,8% disseram que não têm condições de quitar suas dívidas (um aumento de 0,6% em relação a dezembro). Já 11,2% disseram ter condições de pagar integralmente suas dívidas em atraso; 18.3% afirmaram que só pagarão parte de suas contas; e 55% ainda se manterão sem pagar suas dívidas. “Felizmente, a parcela de pessoas que sairão do grupo de não pagadores aumentou, já que houve um aumento de 2% das famílias que irão pagar totalmente suas dívidas em atraso com relação ao mês anterior e um aumento de apenas 0,1% dos que se manterão inadimplentes por falta de condições de pagamento. É um respiro para a família que pode voltar a consumir na economia”, ressalta o especialista.

 

Num universo dos 100% de maceioenses, 69,1% possuem dívidas (seja no cartão de crédito, cheques, financiamentos ou empréstimos) e 30,9% não possuem dívidas desse tipo. “Somados à parcela de famílias que comprometem abaixo de 50% de sua renda com dívidas, isto significa dizer que a dinâmica de consumo das famílias, em Maceió não está comprometida. Sendo assim, podemos esperar que as famílias se mantenham consumindo”, conclui.

 

Publicidade

DEIXE O SEU COMENTÁRIO

Publicidade