Família se reúne para dar o último adeus a Tânia, irmã de Chorão

O corpo de Tânia Abrão foi cremado na manhã desta segunda-feira, 26. 'Correu tudo bem', disse o filho, Guilherme, ao deixar o Memorial.

Família se reúne para dar o último adeus a Tânia, irmã de Chorão

O corpo de Tânia Abrão, irmã do cantor Chorão – vítima de um aneurisma, aos 55 anos, neste sábado, 24 -, foi cremado na manhã desta segunda-feira, 26, às 9h, no Memorial Necrópole Ecumênica de Santos, em São Paulo. Na saída, Guilherme, filho de Tânia, falou rapidamente com os jornalistas. “Correu tudo bem. Minha avó estava presente graças a Deus. Ela veio numa cadeira de rodas e já deve estar saindo. Não sabemos ainda das cinzas”, disse o jovem. Sonia Abrão, prima de Tânia, deixou o local ao lado de seu irmão, Elias, e preferiu não falar sobre o luto que está vivendo.

Ricardo, irmão que estava com Tânia no momento de sua morte, foi o primeiro a chegar ao Memorial na manhã desta segunda-feira, 26, Depois dele, foi a vez da apresentadora Sonia Abrão, que entrou de carro e não abriu o vidro para falar com os repórteres presentes.

Ricardo, aliás, não gostou da presença da imprensa. Impaciente, ele pediu para os fotógrafos não fazerem fotos e passou direto pelos jornalistas: “Peço que respeitem esse momento, por favor”. A segurança foi reforçada para evitar que qualquer um se aproximasse da capela onde aconteceu a cerimônia.

Segundo uma fonte próxima à família, as cinzas de Tânia devem ser jogadas no mesmo lugar em que as do pai, em uma praia de Santos. As de Chorão, que morreu há um ano e nove meses, ainda não teriam tido um destino, porque parte da família quer fazer o mesmo, mas alguns seriam contra.

Velório começou neste domingo, 25

Na noite deste domingo, 25, apesar da cerimônia estar marcada para as 19h, os primeiros a chegar ao local, por volta das 20h, foram os filhos de Tânia, Guilherme e Amanda – que está grávida -, e o irmão de Tânia, Fábio Abrão. “Como estou grávida, estou tentanto me manter forte. Mas tem momentos que não tem como aguentar. É uma força divina que estou tendo”, disse Amanda ao EGO.

A jovem tem 28 anos e está grávida de seis meses de uma menina, que se chamará Catarina. Ela mora em Nova York, nos Estados Unidos, com o marido, que trabalha na marinha americana, mas havia chegado há pouco tempo ao Brasil para ficar com a mãe durante os últimos quatro meses de gestação.

Guilherme, o caçula de Tânia, se manteve o tempo todo ao lado da irmã e contou que a mãe ficou deprimida após a morte de Chorão, que aconteceu há quase dois anos. “Ela nunca voltou a ser a mesma, a morte do meu tio tirou o chão dela. Ela ficou meio deprimida, às vezes tinha força, às vezes não. Como a Amanda engravidou, isso deu um novo sentido para ela, ela tinha nascido de novo com a gravidez da filha. Mas eu sou espírita, então tenho para mim que ela estava se prepparando espiritualmente para a sua morte”. O filho de Tânia também falou sobre o estado emocional da família. “Estamos em choque, temos picos de desespero e de calma”, disse o jovem.

Ainda segundo Guilherme há dois dias a mãe estava feliz e tudo aconteceu de repente. “A primeira dor de cabeça foi na quinta-feira. A encontrei na sexta, ela estava feliz, alegre, leve. Fui para a minha casa (Tânia morava com a filha, Amanda) e quando era de madrugada, umas 4h30, 5h, minha irmã me ligou dizendo que a nossa mãe estava tendo de novo dores de cabeça, uma crise forte, e início de convulsão. Levamos ao hospital e ela deu entrada no pronto socorro. Foram feitos os procedimentos e ela deu entrada na semi-intensiva. Os médicos tinham falado que tiveram que entubá-la, que era um caso gravíssimo e que o AVC tinha danificado 50% do cérebro. Avisaram que ela poderia ou não voltar do coma e, se voltasse, poderia ficar em estado vegetativo. Quanto voltamos à tarde, porque com a semi-intensiva o horário de visitas era mais restrito, ela já tinha entrado em óbito. Era umas 17h, 18h”, detalhou.

Guilherme falou também sobre Alexandre, único filho de Chorão, que vive em momento de atrito com a família. De acordo com familiares, após a morte do músico, Alexandre passou a afirmar que o apartamento em que a avó mora é seu e interrompeu o pagamento da mesada que o cantor dava à mãe para sustentar o local e comprar remédios. O caso está na Justiça. “Ele não deve vir, mas mandou mensagem desejando força e apoio”, disse Guilherme no domingo, 25. O EGO procurou Alexandre para esclarecer a situação, mas não obteve retorno do filho de Chorão. 

Para Guilherme, no entanto, não há como fazer relação entre a briga em família e o aneurisma da mãe: “Minha mãe tinha um espírito materno muito grande, de cuidar de todos. Por isso a perda do meu tio (Chorão) foi muito forte para ela. Não dá para ser o que contribuiu ou não, fazer um diagnóstico. Mas acredito que na altura da situação tudo pode contribuir para picos de nervoso”

Guilherme trabalha como produtor do programa de Sônia Abrão junto com o tio. A apresentadora falou mais do estado emocional dos sobrinhos. “Eles estão muito, muito mal. O Guilherme está um trapo. A Amanda então, que está grávida, está mais fragilizada. Em estado de choque, mas graças a Deus não houve nenhuma intercorrência. Ela veio para ter mais tranquilidade até o parto e acabou perdendo a mãe no meio do caminho”, emocionou-se Sônia. Foram os dois filhos que socorreram Tânia quando ela teve o aneurisma em casa.

 

'Fui o último a visitá-la', diz irmão

Ainda se recuperando da morte de Chorão, há menos de dois anos, dona Nilda, mãe do cantor, não havia recebido a notícia da morte da filha até a hora do velório no domingo, 25.

“Minha mãe ainda não sabe, estamos vendo como contamos para ela. Esperando minha outra irmã (Kátia) voltar de Luxemburgo, vamos nos reunir e ver se contamos juntos ou com a ajuda de uma profissional”, disse Fábio no domingo, 25. Ele foi o último irmão a estar com Tânia: “Eu fui o último a visitá-la. Fui embora e meu irmão (Ricardo) chegou e recebeu a notícia e me ligou”.

Fábio falou ainda sobre a relação próxima que mantinha com a irmã. “Como nossa mãe teve um AVC aos 30 anos, a Tania e a Kátia meio que cuidaram de nós. A Tania foi uma mãe pra mim”, disse ele, que só evitou comentar os atritos familiares com o sobrinho Alexandre, filho de Chorão: “Prefiro não falar disso”.

Entenda o caso

A notícia da morte foi divulgada pela apresentadora Sônia Abrão, prima do cantor e de Tãnia, através do Instagram na madrugada – “Minha prima Tânia se foi… Vai ficar pra sempre ao lado do Chorão, o irmão tão amado! É dor demais para uma família! Ela morreu apenas 1 ano e 9 meses depois do irmão. Estou  tentando cair na real…”.

Posteriormente, outros familiares confirmaram a perda ao EGO. Fábio Abrão, também irmão de Chorão, deu mais informações sobre a morte da irmã. “A causa da morte foi um aneurisma. Ela deu entrada no hospital ontem e morreu no mesmo dia. Os médicos não sabem precisar o que pode ter ocasionado. Foi de repente”, afirmou ele.

'Tudo começou com uma dor de cabeça fortíssima'
Ainda abalada, a apresentadora Sônia Abrão também conversou com o EGO no começo deste domingo, 25, quando se preparava para contar a notícia à sua mãe, que é cunhada da mãe de Chorão, antes de viajar para Santos. Ela explicou que o mal-estar de Tânia começou ainda na noite de sexta, 23. E que ela chegou a procurar a emergência mais próxima de sua casa, no Hospital Guilherme Álvaro, no Boqueirão.”Tudo começou quando ela teve uma dor de cabeça fortíssima. Ela foi para o pronto-socorro mais perto de casa. Fizeram uma tomografia, mas como o resultado só saía de manhã, a medicaram e ela foi liberada (…) Aí, por volta das 4h, ela acordou gritando muito de dor (…) Levaram ela lá de novo e os médicos não deixaram ela ser transferida  Ela ficou paralisada quando teve o primeiro aneurisma e acharam que ela não teria condições de sair de lá (…) Ontem, às 12h, a equipe falou que o estado dela era muito grave e logo depois ela teve o segundo AVC, que foi devastador! Ela só resistiu mais algumas horinhas e morreu umas 14h”.

roblemas familiares estavam gerando grande estresse

Elias, primo de Chorão e irmão de Sônia, também conversou com o EGO e revelou que a grande preocupação de toda a família é dona Nilda. “Minha tia não vai aguentar. Mais um filho que ela perde! E com toda a situação que eles estão vivendo… Ela vai surtar!”, acredita Elias. Os problemas aos quais o produtor se refere são relacionados a Alexandre, filho de Chorão. De acordo com Elias, após a morte do músico, Alexandre passou a afirmar que o apartamento em que a avó mora é seu – apesar de ter a deixado viver lá – e interrompeu o pagamento da mesada que o cantor dava à mãe para sustentar o local e comprar remédios. O caso está na Justiça.

A Tânia ficou muito triste com toda essa situação. Ela era advogada, apesar de não exercer, e foi ela quem decidiu entrar na Justiça contra o Alexandre, que cortou tudo da avó e não quis lhe dar o apartamento formalmente. Contratou alguém e ficava monitorando. Cada dia que surgia algo novo, ela ficava mais tensa. Aí não aguenta mesmo”, lamenta Elias. “O problema é que o Chorão nunca achou que ia morrer, não fez testamento. Aí depois que morre, tudo muda… O Alexandre não procura ninguém, só pensa nele. Que se dane a avó”, critica.

Ainda de acordo com Elias, a família toda está tão revoltada com Alexandre que Ricardo, outro irmão de Chorão, fez um post de desabafo sobre o sobrinho no Facebook no dia 25 de dezembro. “Eu, Ricardo Abrão, seu tio, te perdoo pelos seus atos, pela sua conduta. Por você ser um cara que nunca deu valor para os reais valores e as coisas mais simples da vida. Deixando para trás seu próprio pai, desfazendo de tudo que ele primava e desejava. Tudo que ele fazia e fez em vida! Mesmo se tratando de sua própria avó. Nós sabemos que você foi influenciado. Quem sabe um dia você caia em si e talvez tenha tempo para consertar seus erros ainda nessa vida. E que teu pai assista isso”, escreveu.



 


 


Publicidade

DEIXE O SEU COMENTÁRIO

Publicidade