Maior youtuber do mundo, PewDiePie perde contratos por conteúdo antissemita

O sueco Felix Kjellberg costuma fazer conteúdos polêmicos e não agradou a Disney e o próprio YouTube

Revista Encontro / João Paulo Martins

Maior youtuber do mundo, PewDiePie perde contratos por conteúdo antissemita O sueco Felix Kjellberg, mais conhecido como PewDiePie, perdeu dois contratos por ter feito conteúdos considerados antissemita em seu canal no YouTube (foto: Youtube/user/PewDiePie/Reprodução)

Depois de divulgar vídeos em que contratou pessoas no site de ofertas de serviços Fiverr para fazerem ações consideradas antissemitas, o youtuber Felix Kjellberg, mundialmente conhecido como PewDiePie, acabou sofrendo algumas “retaliações”. Com mais de 50 milhões de seguidores e quase 15 bilhões de visualizações, o sueco costuma publicar vídeos polêmicos, mas, desta vez, acabou passando dos limites.

No começo do ano, o jornal americano The Wall Street Journal analisou o conteúdo do canal PewDiePie no YouTube e descobriu que ao menos nove vídeos produzidos por Felix fazem algum tipo de referência ao nazismo, a Adolf Hitler ou a ideias consideradas antissemitas. Depois que essa matéria foi divulgada, a empresa Maker Studios, que faz parte do grupo Disney e é direcionada à produção de conteúdo, encerrou o contrato que mantinha com o youtuber sueco. Além dela, o próprio YouTube decidiu retirar PewDiePie da lista de canais com anúncios mais relevantes. A plataforma de vídeos pagos do Google, YouTube Red, também cancelou a segunda temporada do programa Scare PewDiePie, no qual o youtuber é colocado em situações adversas, preparadas para deixá-lo assustado.

“Embora Felix tenha criado uma comunidade de fãs ao ser provocador e irreverente, ele claramente foi longe demais nesse caso e os vídeos resultantes são inapropriados. A Maker Studios tomou a decisão de encerrar nossa filiação com ele daqui em diante”, diz a empresa da Disney em comunicado enviado ao site americano The Hollywood Reporter.

O fim desses dois contratos deve representar uma grande perda para Felix Kjellberg, já que, segundo estimativa da NeoReach, instituição que realiza análises de mídia social, o sueco faturou US$ 14,5 milhões (cerca de R$ 47 milhões) com anúncios no YouTube, patrocínios e aparições em eventos no ano passado.

Depois de gerar tanta polêmica, PewDiePie usou sua conta no Tumblr para fazer um esclarecimento. “Fiquei sabendo, ontem, que algumas pessoas estão vendo meus vídeos e dizendo que eu estou dando credibilidade para o movimento antissemita, e que meus fãs são parte disso também. […] Isso se deve a um vídeo que fiz algumas semanas atrás. Eu estava tentando mostrar como o mundo moderno é louco, especificamente alguns serviços disponíveis na internet. Eu escolhi algo que parecia absurdo, que algumas pessoas fariam qualquer coisa por US$ 5 no Fiverr. Eu acho importante deixar uma coisa bem clara: eu não estou apoiando de jeito nenhum qualquer tipo de atitude de ódio. […] Eu penso no meu conteúdo como sendo entretenimento, e não um lugar para qualquer comentário político sério. Eu sei que meus inscritos entendem e que isso os atrai em meu canal. Apesar de esta não ter sido a minha intenção, eu entendo que essas piadas foram ofensivas”, desabafa o youtuber sueco.

Assista, abaixo, a um dos vídeos polêmicos (em inglês) de Felix Kjellberg, no qual dois indianos dançam segurando uma placa com os escritos “Morte a todos os judeus”:

Publicidade

DEIXE O SEU COMENTÁRIO

Publicidade