O jazz retorna ao endereço da Cozinha 110, na Jatiúca

Contrabaixista Felix Baigon e guitarrista Ricardo Lopes convidam músicos para uma jam-session na quinta-feira (22), a partir das 21h

O jazz retorna ao endereço da Cozinha 110, na Jatiúca

A seara do jazz já tem tradição em Maceió. Até pouco tempo atrás, no bairro de Pajuçara na praça do Rex – organizado pelo bar homônimo e pelo guitarrista Ricardo Lopes numa formação de jazz da pesada, o Ricardo Lopes Trio –, esse estilo de música, caracterizado pela forma sincopada e cheia de swing e sentimento, virou mania às quartas-feiras na cidade. O próprio Ricardo Lopes – que participou, no começo de agosto, da primeira edição do festival baiano “Paulo Afonso Bond Jazz” – tem cancha de projetos jazzísticos na capital desde o “Maceió Jazz” nos anos 1990, que trouxe uma penca de músicos e cantores excepcionais, daqui e de fora, comoBetty Carter, Koko Taylor, Flora Purim, Gal Costa, Egberto Gismonti, Arturo Sandoval, Paulo Moura, Paquito de Rivera. Incrível, não é? Por aqui, também, o jazz tem nome e sobrenome e nessa quinta-feira (22), a partir das 21h, o restaurante Cozinha 110 abre as portas para esse ritmo tão rico quanto livre e criativo, numa espécie de piloto do que poderá vir a ser o novo point do jazz às quintas-feiras. 

O show inaugural traz Ricardo Lopes, o contrabaixista Felix Baigon, o baterista Maglione Santos e o saxofonista Jailson Brito. “Vamos tocar o repertório clássico do jazz e bossa nova”, avisa Baigon, corroborado por Lopes, que relaciona nomes como Thelonius Monk, Miles Davis, Herbie Hancock, Beatles e os nossos Tom Jobim, Ivan Lins e Milton Nascimento.

 “Dessa vez o Baigon foi quem propôs”, explica o guitarrista, que desde o ano passado atua como programador musical do restaurante Comedoria Gourmet (que virou Cozinha 110), abrindo ali um espaço para essas noitadas jazzísticas. “O Luiz Guzman [proprietário da casa] sempre foi receptivo aos nossos projetos, tendo promovido já algumas noites de jazz. Agora que o restaurante foi reformado, vamos ver se emplacamos as quintas-feiras.”

 Atenção, aficionados, vamos prestigiar. “A novidade para nós é a casa que mudou, ficou mais bacana”, reconhece o contrabaixista, sinalizando para “uma reunião de amigos novos e antigos”. “Estamos enviando mensagens, convocando-os.” 

Além desse formidável quarteto, pois, aguarde outros craques na área. O piloto da quinta-feira jazz promete. 

“Recentemente, fizemos três semanas num hotel, os turistas jantavam e ficavam no restaurante curtindo o show, aplaudindo, até o final”, afirma Ricardo Lopes, apostando num revival de jazz na cidade. 

“Não sei dizer se é porque era realizado na praça, mas as quartas-feiras que fizemos por dois anos e meio no Rex – teve um hiato de seis meses, okay, mas era lotado, éramos a principal atração do bar, que era voltado exclusivamente para o jazz. Hoje não é mais assim.” 

Os tempos sempre mudam – as opções também. Aposte agora na quinta-feira – os músicos prometem uma jam-session de arrebentar. “O pessoal que ficar a fim, é só chegar”, Lopes convida. O couvert é baratinho: R$ 10. Vai perder? 

Jazz em Jam Session – Apresentação instrumental com os músicos Felix Baigon, Ricardo Lopes, Jailson Brito, Maglione Santos e convidados. Quinta-feira (22), às 21h. Couvert, R$ 10. Tel. para reservas: (82) 99332 4004.

Cozinha 110 – Avenida Almirante Álvaro Calheiros, 110, Jatiúca. Tel. 3325 7537. Estacionamento, aceita cartões.

Publicidade

DEIXE O SEU COMENTÁRIO

Publicidade