Alagoano preso por matar ex-mulher com 31 facadas no rosto pede para aguardar julgamento em casa

O crime foi cometido após o acusado, que não aceitava o fim do relacionamento, ter marcado um encontro com a vítima para conversar sob o pretexto de assinar divórcio de maneira amigável

Alagoano preso por matar ex-mulher com 31 facadas no rosto pede para aguardar julgamento em casa

Em 5 de outubro de 2016, o assassinato brutal em Maceió da professora Joana Mendes, que teve o rosto desfigurado com mais de 30 facadas pelo ex-companheiro Arnóbio Henrique Cavalcante, ganhou repercussão em todo o país ao chamar atenção para o crime de feminicídio.

Pouco mais de três anos depois da morte de Joana, que deixou dois filhos, um recurso da defesa do acusado que será julgado no Tribunal de Justiça nesta quarta-feira (30) faz a família correr o risco de ver o ex-companheiro da vítima sair do presídio para aguardar o julgamento em casa. “A brutalidade do crime faz com que todos da família sintam-se ameaçados com essa possibilidade”, diz Julia Mendes, irmã de Joana. “Sabemos que a prisão domiciliar, mesmo com uso da tornolezeira eletrônica, não é o suficiente para impedir uma tentativa de fuga e de deslocamento. Confiamos que a Justiça alagoana não permitirá que isso ocorra”.

O crime foi cometido após o acusado, que não aceitava o fim do relacionamento, ter marcado um encontro com a vítima para conversar sob o pretexto de assinar divórcio de maneira amigável assim como acordo de pensão para o filho menor, então com dois anos. Foi então que, em um trecho de uma rua no bairro de Santo Eduardo, ele desferiu mais de 30 facadas no rosto da vítima, desfigurando-a. “A brutalidade e a frieza do assassino revelam que a intenção dele não era apenas de matar minha irmã, mas de destruí-la”, diz a irmã, Júlia Mendes. “Imagine o risco que corre não apenas nossa família, mas toda a sociedade, caso ele possa cumprir prisão em casa”.

O assassinato brutal de Joana ganhou repercussão nacional ao chamar atenção para um dos tipos mais comuns de feminicídio praticados no Brasil: crime hediondo cometido contra a mulher decorrido de um ex-companheiro que se sente “desautorizado” – exatamente o que aconteceu com Joana, barbaramente assassinada por terminar o relacionamento e decidir mudar de Estado para fugir de eventuais surtos de violência do ex-companheiro. Em outros países da América Latina, a maioria dos atos de violência contra a mulher é praticada por desconhecidos, geralmente com a presença de violência sexual.

Publicidade

DEIXE O SEU COMENTÁRIO

Publicidade