Ambev fecha em RN e busca outro estado do Nordeste

Caso Alagoas tenha interesse em atrair a indústria, o Prodesin poderá auxiliar a instalação

Ambev fecha em RN e busca outro estado do Nordeste

A Ambev está fechando a fábrica na cidade de Extremoz, em Rio Grande do Norte (RN), gradativamente. A decisão da indústria decorre do aumento do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) e do término do Programa de Apoio à Indústria que garantia um desconto de 75% no valor do imposto estadual. Agora, a Ambev está em busca de novo local e, por questões de logística, o interesse da indústria é permanecer no Nordeste.

Com o ajuste no pacote fiscal do governo do RN, o ICMS de 25% saltou para 29%, sendo 2% destinado ao Fundo de Combate e Erradicação da Pobreza (Fecoep).  Durante o processo de fechamento no estado potiguar, a Ambev irá desligar 300 trabalhadores diretos.

Para o economista da Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de Alagoas (Fecomércio Alagoas), Felippe Rocha, com o novo Programa de Desenvolvimento Integrado do Estado de Alagoas (Prodesin), o Estado poderá atrair a Ambev, mas com a previsão de aumento da alíquota do ICMS a partir de 2016, a situação atual da saída da Ambev do RN poderá se repetir. “O governo consegue atrair a empresa no primeiro momento, mas depois se torna inviável”, explicou.

A colocação de Felippe ganha força com base na teoria da Curva de Laffer que aponta existir um limite entre quanto o governo consegue arrecadar por meio da receita de impostos e em que nível de impostos a receita do governo começará a cair ao invés de aumentar. “O Estado deve tomar cuidado para não chegar a um ponto de desequilíbrio. O resultado seria uma perda de receita ao invés de um aumento”, afirmou, explicando que se não houver cautela, o aumento de impostos poderá inviabilizar a produção e a geração de renda, pois irá desestimular a produção na economia.

A Ambev alega que se repassar os custos para os consumidores poderia reduzir as vendas, o que representaria um risco grande considerando a concorrência no segmento. O estado que receber a Ambev terá como vantagens a geração de empregos e renda.

Vale lembrar que, em Alagoas, a alíquota do ICMS para cerveja irá saltar de 19% para 27%, a partir de janeiro de 2016, sendo 2% destinados à FECOEP. Por outro 

lado, o Projeto de Lei 185/2015 que dispõe sobre o Programa de Desenvolvimento Integrado do Estado de Alagoas (Prodesin) visa dar um desconto de 92% para as empresas que ingressarem no Estado e, para as já instaladas, prevê a possibilidade de migração. Esse projeto ainda está em tramitação. Por enquanto, o atual Prodesin isenta qualquer empresa de pagar o ICMS por um ano e, após esse período, concede 50% de desconto por tempo previsto em acordo. Considerando que RN concedia 75%, caso Alagoas tenha interesse em atrair a Ambev, será importante uma articulação do governo para viabilizar o projeto de lei a fim de se tornar um Estado atrativo para indústria de bebidas.

Publicidade

DEIXE O SEU COMENTÁRIO

Publicidade

Cinemas