Hotéis alagoanos são vítimas de criminosos que criam perfis falsos para enganar consumidores

Aqui em Alagoas, segundo a Divisão Especial de Investigações e Capturas (Deic), somente em 2019, mais de 900 golpes virtuais foram aplicados.

Janaina Ribeiro - Repórter

Hotéis alagoanos são vítimas de criminosos que criam perfis falsos para enganar consumidores

Você já ouviu falou nos scammers? Numa tradução livre, a palavra significa fraudadores, e eles estão agindo na internet mais do que nunca. Como o ambiente on-line facilita a proliferação de atividades ilegais, por ser mais difícil identificar os autores, esses criminosos acabam se aproveitando dessa facilidade para aplicar golpes nos consumidores. Aqui em Alagoas, vários hotéis denunciam ser vítimas de quadrilhas que agem ilegalmente nas redes sociais, especialmente no Instagram.

Aqui em Alagoas, pelo menos sete hotéis estão sendo atingidos por golpistas: Ponta Verde, Matsubara, Pratagy Resort, Jatiúca Resort, Iloa, Maceió Mar Hotel e Maceió Atlantic. E para a conseguir convencer o cidadão a cair na fraude, os criminosos criam perfis falsos no Instagram e enviam mensagens para os seguidores, dizendo que eles foram contemplados.

Com o hotel Matsubara, por exemplo, foi enviada uma mensagem para um internauta com o seguinte texto: “Olá, senhor. Analisamos que você segue o nosso Instagram de publicidade. Por favor, envie nome completo e número com DDD. Você está concorrendo a 3 dias de estadia grátis, com tudo incluso em nosso hotel. Caso tenha interesse, nos informe os dados pedidos. Obrigada”.

Carol Medeiros, gerente de marketing do Hotel Ponta Verde, contou que o empreendimento no qual ela trabalha também foi uma das vítimas dos bandidos. “Eles criam perfis falsos, com o nome semelhante ao do nosso estabelecimento e furtam as fotos que estão postadas. Ou seja, dão a falsa impressão que aquele novo Instagram é verdadeiro. Então, é possível que alguém acredite e cai no golpe”, explicou.

No entanto, o consumidor precisa ficar atento e saber que os hotéis não enviam mensagem para os directs de ninguém pedindo dados pessoais. Portanto, caso isso ocorra com você, não forneça nenhuma informação e ligue para a polícia para denunciar”, alertou Carol Medeiros.

Como se proteger

Fique atento para não cair nesse tipo de fraude. Acione a Polícia Civil, por meio da Divisão Especial de Investigações e Capturas (Deic), já que esse departamento tem uma seção para combater crimes cibernéticos. O número para contato é o 3315-1148. E a própria Deic divulgou recentemente um material informativo fazendo esse alerta.

Segundo levantamento feito pela divisão, ano passado Alagoas mais de 800 crimes cibernéticos e, desse total, cerca de 200 casos foram relativos a clonagem do aplicativo de mensagens Whastapp.

Abaixo, seguem algumas dicas de como se proteger dos golpistas:

– Não envie seus dados pessoais e bancários para pessoas (físicas ou jurídicas) que você não conhece;

– Quando receber mensagens te informando sobre supostas promoções, busque um número de telefone para poder confirmar a veracidade daquela informação;

– Não clique em links de atividades suspeitas ou de verificações, sem antes ter certeza da sua veracidade. Buscar um canal oficial é sempre a melhor forma de prevenção;

– Como esses criminosos trocam com frequência os nomes dos perfis falsos, exatamente para tentar enganar consumidores e investigadores de crimes cibernéticos, cheque sempre a data de criação da conta, o local de criação, quantas vezes o usuário trocou de nome e quantos perfis parecidos como esse existem na plataforma. Há aplicativos que permitem essa verificação.

Publicidade

DEIXE O SEU COMENTÁRIO

Publicidade

Cinemas