Sindicatos da educação pública preparam GREVE para o dia 15/05

Sindicatos da educação pública preparam GREVE para o dia 15/05

Assessoria de Comunicação / Emanuelle Vanderlei

Sindicatos da educação pública preparam GREVE para o dia 15/05

Na tarde desta terça-feira (7), estiveram reunidos na sede do Sinteal vários sindicatos representantes de trabalhadores/as da educação pública em Alagoas, em todos os níveis, e outras entidades de luta da sociedade civil organizada (Sindicato dos Trabalhadores da Educação de Alagoas (Sinteal), Associação dos Docentes da Universidade Federal de Alagoas (Adufal), Sindicato dos Trabalhadores da Universidade Federal de Alagoas (Sintufal), Sindicato dos Servidores Públicos Federais da Educação Básica e Profissional no Estado de Alagoas (SintiEtfal), Diretório Central dos Estudantes da Universidade Federal de Alagoas (DCE/UFAL), DCE/Uncisal, Grêmio IFAL e Marcha Mundial das Mulheres em Alagoas) A decisão unânime da reunião foi unificar o movimento e construir uma pauta de luta contra o desmonte da educação no país e também contra as reformas antitrabalhador e antipovo patrocinadas pelo (Des)Governo Bolsonaro. As entidades decidiram elaborar uma Carta (conjunta e unificada) em Defesa da Educação.

Ficou determinado na reunião a criação de uma Frente Ampla em Defesa da Educação Pública em Alagoas. Outra decisão é que todas as categorias vão aderir à greve nacional da educação, no dia 15/05, com grande ato público no CEPA, situado à Avenida Fernandes Lima, no bairro do Farol, seguido da “Marcha da Educação” do CEPA até o Centro de Maceió.

A prioridade que o movimento elegeu como pauta principal foi a luta contra os cortes de recursos da educação impostos pelo governo Bolsonaro. “Cortar da educação é cortar do desenvolvimento, inclusive no desenvolvimento da economia do país”, disse Lenilda Lima, representante do Sinteal.

Com o compromisso de dialogar com a sociedade e esclarecer sobre o papel que a universidade e a escola pública exercem na vida de toda a população, a Frente Ampla vai promover uma grande campanha informativa, com dados oficiais dos impactos e prejuízos que cortes em recursos da educação pública podem causar.

A luta contra a Reforma da Previdência também está na pauta da greve nacional, porque atinge diretamente toda a classe trabalhadora e coloca em risco tanto a vida dos educadores e educadoras, quanto a qualidade da educação. “Como é que uma pessoa vai ter energia e condições físicas para dar aula a uma turma de alunos da educação infantil, por exemplo, depois dos 60 anos?” questionou Lenilda.

A luta da Frente Ampla em Defesa da Educação terá como um dos pontos principais a realização de um grande protesto no CEPA – Centro Educacional de Pesquisas Aplicadas, no próximo 15 de maio, com as entidades e trabalhadores/as dialogando com a comunidade escolar e com a população, entregando panfleto denunciando os ataques do Governo Bolsonaro contra a Previdência e a educação (em todos os níveis), e convocando a população para resistir e lutar.

Encerrando o ato no CEPA, os/as manifestantes vão realizar a Marcha da Educação – com utilização de carro-de-som e megafones para amplificar os discursos e palavras-de-ordem, exibição de faixas e cartazes de luta -, até o Centro de Maceió (nas imediações da Loja Marisa). Neste local, no final do protesto dos/as trabalhadores/as e de suas entidades representativas, será realizada uma aula pública em defesa da educação pública.

Publicidade

DEIXE O SEU COMENTÁRIO

Publicidade

Cinemas