Últimas cores de 360°: semana final da exposição de Eduardo Bastos no Complexo Cultural

As obras que mostram a beleza e riqueza de Alagoas por meio de aquarelas estão expostas até o dia 21 de julho, domingo.

Assessoria de Comunicação / Hannah Copertino

Últimas cores de 360°: semana final da exposição de Eduardo Bastos no Complexo Cultural

Durante dois meses o Complexo Cultural Teatro Deodoro, no centro de Maceió, pintou-se em tons festivos e sutis, livres e muito delicados, colorindo os dois pisos da galeria. Isso graças às pinturas da exposição de nome “360°”, do artista, arquiteto e designer Eduardo Bastos, que deixou em cartaz uma variedade de aquarelas de traços muito originais. A exposição, que foi aberta no dia 25 de maio, está em seus últimos dias de visitação – quem ainda não viu, ou gostaria de rever, tem até o dia 21 deste mês de julho, próximo domingo. Vale lembrar que a entrada é gratuita e pode ser feita de segunda-feira a sábado, das 8h às 18h; às quartas-feiras, das 8h às 20h, e no domingo das 14h até às 17h.

“É com grande satisfação que a Diretoria de Teatros do Estado de Alagoas recebe as obras do Eduardo Bastos, um alagoano talentoso, que possui um belo e diversificado trabalho. A nossa galeria de arte está recheada de telas do artista para que o público possa apreciar as obras”, afirmou a diretora presidente da Diteal, Sheila Maluf.

A exposição apresenta telas com personalidades de Alagoas e do mundo, a exemplo de Nelson da Rabeca e do Papa Francisco; de moradores de rua; prédios e, monumentos e lugares de Maceió de outrora; personagens da cultura popular; entre outros temas. São obras diversificadas, porém com algo em comum: os traços precisos e a maestria na utilização das cores.

“A exposição 360º de Eduardo Bastos é uma realização que já vínhamos acalentando há muito tempo, sua obra exala poesia visual, sensibilidade, suas cores suaves nos revelam a nossa cidade com maestria, tanto ao retratar prédios históricos, quanto as favelas encrustadas nos morros da atualidade, através do rosto sofrido, mal tratado pela invisibilidade social, dos rostos célebres de grandes personalidades de segmentos diversos. Grato Eduardo Bastos por vir somar, engrandecendo a história da Galeria de Artes Visuais do Teatro Deodoro”, pontuou o gerente artístico e cultural da Diteal, Alexandre Holanda.

Para Eduardo Bastos, a arte é uma forma de expressar o amor pela cidade, de dar visibilidade às pessoas que são invisíveis ao terem seus direitos negados, de chamar a atenção para os problemas e também de destacar as belezas da nossa terra.

“Eu busco referências na Maceió da minha infância e adolescência, uma cidade linda que guardo boas recordações. Era mais limpa, mais arborizada, o seu patrimônio arquitetônico preservado, enfim, sinto saudades dessa cidade, mas nunca deixei de amá-la. Acho que sou um cronista urbano, me expresso através de traços e cores, busco a representação da cidade, sua gente… Daquilo que me emociona ou me incomoda”, revela o artista.

Esta é a segunda exposição individual de Eduardo Bastos. A primeira foi na Galeria Fernando Lopes, no Cesmac, dois anos trás. Grande parceira do artista, a curadora é a professora Socorrinho Lamenha.

Serviço:

Exposição 360º de Eduardo Bastos, com curadoria de Socorrinho Lamenha.

Últimos dias

Visitas – Até 21 de julho; de segunda a sábado, das 8h às 18h; quarta-feira, das 8h às 20h; domingo; das 14h às 17h.

Local – Complexo Cultural Teatro Deodoro, Centro de Maceió.

Agendamento de grupos de escolas e instituições sociais – (82) 98884-6885 ou escolasditeal@gmail.com

A entrada e agendamento são gratuitos.

Publicidade

DEIXE O SEU COMENTÁRIO

Publicidade